Sarandira

 

Residência 27 de Novembro a 05 Dezembro 2017
Artistas Alexandre Rato, Baba Jung, Clara Valente, João Maciel, Tarsila Goulart e Thiago Alvim
Registros Fernando Biagioni
Curadoria Bernardo Biagioni
Coordenação Raul Sampaio

Sarandira é uma ilha de bondade à deriva na Zona da Mata. Distrito de Juiz de Fora e rodeada por Pequeri e Matias Barbosa, o vilarejo que já chegou a abrigar mais de 5mil moradores no início do século XX, auge da produção cafeeira da região, hoje é habitado por cerca de 300 pessoas. Uma sequência de políticas públicas e econômicas duvidosas aniquilaram a principal fonte de renda local – dissipando a população com o passar das décadas.

 

Em Junho de 2017 inauguramos o Instituto Amado com um chamado nacional. Moradores de vilarejos com até dois mil habitantes que gostariam de receber a visita de um grupo de artistas para emprestar seus conhecimentos e ferramentas à causas locais. Dentre uma série de cartas, e-mails e telefonemas, decidimos por acolher ao chamado da Carabina Cultural, ONG de Sarandira que vem trabalhando uma série de projetos para trazer recursos e desenvolver a estima do povoado.

Os Artistas

Para esta primeira expedição do Instituto Amado dentro do projeto Vilas Brasileiras foram convidados uma arquiteta e cinco artistas muralistas que têm trabalhos relacionados à natureza e à comunidades. Alexandre Rato, Baba Jung, Clara Valente, João Maciel, Tarsila Goulart e Thiago Alvim são artistas mineiros que se dedicam à olhar para as paredes como possibilidades de diálogo e contato entre as pessoas. Entendem arte como uma ferramenta de comunicação e de respeito com o espaço em contato. E se mostram disponíveis a ceder, dividir e a ensinar seus processos criativos.

Clara Valente

Baba Jung

Alexandre Rato

João Maciel

Tarsila Goulart

Thiago Alvim

Processo

Ainda que quase todos os artistas convidados tenham um trabalho relacionado ao muralismo, partimos de Belo Horizonte sem carregarmos a obrigação de desenvolvermos uma série de pinturas em Sarandira. O objetivo principal era conhecer, ouvir e nos colocarmos disponíveis à atender demandas locais que estivessem ao alcance da arte e da educação. Os três primeiros dias foram dedicados a este processo de chegar, entender e receber. Do quarto dia em diante, os artistas foram convidados à pintar os muros e fachadas dos moradores.

Alexandre Rato

Um dia depois da nossa chegada, Rato se contundiu durante uma partida de futebol. Correndo o risco de voltar pra casa, o artista foi prontamente atendido por toda a comunidade, que ofereceu diferentes técnicas e procedimentos de tratamento. Mesmo melhorando dia após dia, o artista precisou transitar com o auxílio de instrumentos. E, não só por isso, todos seus trabalhos em Sarandira foram pautados pela colaboração com as crianças e adolescentes. Todos os painéis assinados pelo artista tiveram a participação de locais.

Baba Jung

Seguindo uma mesma linha de pesquisa empreendida na Residência Itatiaia, o artista Baba Jung escolheu trabalhar e reimaginar materiais locais. Foram coletadas madeiras e materiais descartados para a composição de pássaros. As esculturas foram espalhadas nas casas de vários moradores – sendo uma das fachadas assinada em colaboração com Thiago Alvim.

Clara Valente

Com um trabalho cada vez mais dedicado às paisagens mineiras, Clara Valente coloriu Sarandira com suas formas orgânicas e geométricas que se confundem harmoniosamente com o contexto. À convite da Zezé, reimaginou a fachada de um armazém histórico que funciona na vila, retratando frutos usados na produção de doces da moradora.

João Maciel

Sempre interessado na história, formato e disposição de suportes possíveis, João Maciel trabalhou composições astrais em múltiplos e variados ambientes. À convite de moradores, reimaginou mesas e cadeiras com cores que remetem a sentimentos especiais. Trabalhou também em banheiros, ponto de ônibus e muros de pequeno formato. Espalhou elementos coloridos e preenchidos de sentidos por toda Sarandira.

Tarsila Goulart

Ao contrário dos demais artistas convidados, o trabalho de Tarsila não se localiza dentro do campo da arte mural. Convidada para compor o time de produção, a artista acabou desenvolvendo uma oficina para a confecção de bonecas de pano. Mais do que o resultado material em si, o trabalho proposto por Tarsila promoveu o encontro e o alinhamento das mulheres da comunidade.

Thiago Alvim

Natural de Ouro Preto e altamente influenciado por suportes históricos, Thiago Alvim desenvolveu trabalhos orgânicos harmoniosos com as fachadas do vilarejo. À pedido da Zelma, desenhou uma linda santa em sua fachada, celebrando a devoção dos locais.

Pintura da Escola

Fruto de um convite especial da diretora da escola, dividimos a pintura da fachada em três momentos. Em primeiro lugar, apresentamos os nossos trabalhos, origens e pesquisas, ressaltando o prazer e o afeto em nos integrarmos à Sarandira. No segundo momento, convidamos as crianças para uma oficina de pintura, usando o  muro como suporte. Por fim, os artistas convidados arremataram o painel, dialogando e destacando as impressões deixadas por cada aluno.