Mural Liberdade

 

Julho a Dezembro de 2018
Co-realização Instituto Amado e Prefeitura de Belo Horizonte
Curadoria Binho Barreto, Carol Jaued, Sara Moreno
Produção Instituto Amado (Bernardo Biagioni, Gustavo Ziller e Raul Sampaio), Fauno Cultural e Prefeitura de Belo Horizonte
Fotos Bernardo Biagioni, Danilo Alvarez, Fernando Biagioni, Guilherme Maciel, Liza Simões e Raul Sampaio
Vídeo Fernando Biagioni

No mês de Julho de 2018 a Praça da Liberdade, renomada paisagem e cartão postal de Belo Horizonte, foi cercada de tapumes brancos para uma obra de reforma que duraria até o final do ano. Com a intenção de reimaginar este cenário frio e sem vida – em contraponto a toda efervescência social que vive o espaço – a Prefeitura de Belo Horizonte convidou o Instituto Amado para transformar as madeiras em telas de arte.

 

Com curadoria dos artistas e produtores culturais Binho Barreto, Carol Jaued e Sara Moreno, abrimos um chamado público para artistas brasileiros que tivessem pesquisas ligadas ao graffiti e ao muralismo. A partir de centenas de inscrições, os curadores selecionaram 57 nomes para ocupar os espaços em branco que cercaram a Praça, tendo como critério a equidade de gêneros, estimulando a presença de artistas mulheres, além de uma avaliação de propostas e portfólios.

 

Alexandre Junior, Alexandre Rato, Ant., Baba Jung, Barbara Daros, Bolinho, Bruna Castro, Bruno Pes, Camz, Clara Valente, DALATA, Dninja Bichocoisa, Does, Ed-Mun, Estefânia Stoupa, Fabiana Santana, Fênix, Figo, Gabriel Dias, Gabriella Biga, Gud Assis, Ina Gouveia, IRONDOIS, John, Kakaw, Kaos Scalabrini, Lari, Leandro Egm, Litos, Luis Matuto, Luis World, ma3, Maizena, Maria Clara Cheib, Martokos, Mone, Mujer, Na Tora Crew, Nica, Now, Pat Caetano, Pedro Ninja, Pedro Saki, Priscapaes, Rafael Boneco, Ramar, S.H.I.T. Stencil Henrique Ink Trademark, Sarita, Sbolk, Spunk, SurtoReal, Testa, Tiago Alvim, Tot, TR2, Wanatta, Zi Reis.

 

Com esta seleção de artistas foi constituída uma das maiores galerias de arte urbana à céu aberto, temporária, de Belo Horizonte e do Brasil. Tivemos como queridos parceiros os projetos Auto Sound System, Bicirangos, Fauno, Gastropark, Gentileza, Museu de Rua, Paris 68, Roger Dee, Sinestésica, URBN, Xeque Mate e o patrocínio da BHIP.  Durante cinco meses a arte urbana esteve presente e em diálogo com equipamentos rígidos e tradicionais da arquitetura mineira. Uma conquista especial para todas xs artistas, produtores, parceiros, Belo Horizonte e Instituto Amado.